Crônica da Viagem

Ala-merda Sem Boaventura

Da Ilha a Niterói foi moleza, só de barca. Subir a Alameda já foi outra história, aquela dos sem-acostamentos. Achei calçada e depois a viagem atinge o território verde lentamente. A Rodovia oferece riscos em acostamentos que desaparecem nas curvas. Viram tangente dos milhares de Ayrtons Sennas do cotidiano.

Quando cheguei em Itaipuaçu resolvi seguir o mapa do Google, para descobrir que aquela avenida beira-mar não existe, só terra e areia. O trem azul tá de pneu liso, P700. Voltei à Rodovia, que no trecho final de Maricá fica coalhada de bicicletas na contra-mão. Carros também, aquele jeitinho brasileiro de evitar os retornos de rodovia.

Piso impróprio para pneu fino

Esse primeiro dia, de sol, vento e 25km desperdiçados terminou na busca de pousadas em Maricá, cidade cheia, com uma rua de tráfego que engarrafa. Local de muitas bicicletas – 45 por hora, na rua central -Maricá não tem eventos anuais, bicicletários, ciclovias, mas tem o Zé do Pedal.

Seu Zé do Pedal

Foi ele quem me orientou para chegar a Saquarema por vias próximas do mar, a meta inicial. O Zé do Pedal na verdade se chama Wildenberg, pedala desde os nove, viajou o mundo nos anos 70, acho que foi o primeiro brasileiro a fazer isso. ” Quando eu viajo só carrego uma bolsa com câmara e uma muda de roupa “, me disse. Olhei meus alforges como peso morto.

Ponta Negra

O Zé-Wilden me acompanhou até Ponta Negra, ficou feliz com a visita inesperada de um desconhecido íntimo, onde passava contava sua história de celebridade de Maricá. É uma cidade que pede e promete intervenções com a cultura da bicicleta.

Saquarema já tem ciclovia e nenhum trânsito

Quando cheguei a Jaconé pela nova rodovia voltou o piso barro-areia. Haja equilíbrio, com a traseira do trem azul rabeando proporcional ao peso (morto ) dos alforges. Que são perfeitos, por sinal, coisa de alemão mesmo. DAli é uma reta só até Saquarema, onde estou agora escrevendo numa lan house, com fome e frio. Que logo serão suprimidos.

Anúncios

Uma resposta to “Crônica da Viagem”

  1. Robert Says:

    Belo post. Sempre que vou à Maricá fico numa pousada perto da lagoa em São José de Imbassaí, olha a página do facebook: http://www.facebook.com/pages/Pousada-da-Vov%C3%B3-Bellina/453402578027727


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: